Posts

Promoção valida enquanto durarem os estoques.

 

Curvador de Tubo 1/2 x 180 graus

Cód: 1085
Por: R$92,00

Curvador de Tubo 5/8 x 180 graus

Cód: 1081

Por: R$130,00

 

*as imagens são meramente ilutrativas.
*promoção válida enquanto durarem os estoques.

A partir do dia 3 de julho, as vigilâncias sanitárias poderão multar os responsáveis por edifícios comerciais e industriais que não estiverem adequados à Lei 13.589/2018, mais conhecida como Lei do PMOC.

A nova legislação, que está em vigor para novas edificações desde janeiro, exige a execução de um Plano de Manutenção, Operação e Controle de sistemas e aparelhos de ar condicionado em edificações de uso público e coletivo, com o objetivo de eliminar ou minimizar riscos potenciais à saúde dos ocupantes.

Os engenheiros mecânico e industrial são os únicos profissionais que podem planejar e assinar o PMOC, segundo o diretor institucional da Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação (Asbrav), Sérgio Helfensteller.

“A lei abrange praticamente todos os ambientes comerciais e industriais e entrou em vigor em janeiro, dando prazo de 180 dias para os edifícios existentes se adequarem”, ressalta.

“A multa para quem descumprir a Lei do PMOC pode variar de RS 2 mil até R$ 1,5 milhão“, informa o engenheiro mecânico Gilsomar Gabriel da Silva, que ministrou, recentemente, curso sobre o tema na sede da Asbrav, em Porto Alegre.

“É importante destacar que a lei é válida para quem tem mais de 60 mil BTU/h instalados, o que é bem simples de encontrar, como empresas com quatro equipamentos de 12 mil BTU/h em suas dependências, por exemplo“, lembra.

Os sistemas de climatização e os respectivos planos de manutenção previstos na lei devem obedecer aos parâmetros de qualidade regulamentados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e às normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Fonte: Blog do Frio

Multinacional do ramo de alimentação investe no monitoramento à distância para garantir a excelência dos pratos à bordo.

Assegurar a qualidade e o sabor das refeições servidas ao cliente, à bordo de aeronaves pelo mundo todo. Este é o objetivo da Gate Gourmet, multinacional suíça parte do Gate Group que opera no ramo de alimentação para vôos comerciais de operadoras nos cinco continentes. Para isso, é vital investir na refrigeração correta das matérias-primas utilizadas. E a forma encontrada pela equipe técnica da empresa a aparuxiliar no gerenciamento da temperatura de câmaras frias e racks de armazenamento dos alimentos foi instalar controladores da Full Gauge Controls, conectados ao Sitrad, sistema de gerenciamento remoto desenvolvido pela marca.

A decisão de implementar o monitoramento à distância ocorreu há mais de dez anos. Um dos responsáveis foi o supervisor de manutenção, Fábio Severo. Na época, o projeto foi pioneiro no segmento, recebendo premiações pela inovação. Por isso, ao inaugurar sua nova sede, próxima ao Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, a Gate Gourmet resolveu seguir usando controladores Full Gauge Controls com o Sitrad, como também faz na planta do Rio de Janeiro. A nova operação paulista produz cerca de 30 mil refeições por dia, e para Severo, o software é sua melhor e mais confiável ferramenta de trabalho: “Temos mais de 40 equipamentos, todos monitorados por uma central, que gera relatórios constantes e disponibiliza as informações para a equipe de manutenção”, destaca. Para ele, o gerenciamento remoto auxiliou a empresa como um todo: a operar com maior eficiência, trabalhando com prevenção e sempre com foco na qualidade do produto final.

Os dados armazenados servem como base de avaliação do rendimento de cada etapa da operação. Além disso, os alarmes emitidos pelo Sitrad auxiliam o departamento técnico a responder em tempo real a qualquer alteração sinalizada. “A ferramenta avisa quando algum parâmetro está fora do que foi previam

ente estabelecido, o que nos permite corrigir eventuais falhas antes que elas venham a acontecer, trabalhando de forma preventiva e tendo uma visão mais ampla do negócio”, ressalta Severo. A equipe também destaca como pontos positivos do sistema a simplicidade para fazer o download, instalação e utilização, além da praticidade para efetuar alterações e visualizar os dados. E por fim, o fato de poder eliminar a impressão de muitas planilhas e documentos: “Hoje o software armazena todos os dados online, precisamos apenas de um dispositivo conectado à Internet para ter acesso às informações”, evidencia Severo.

Entre os produtos da Full Gauge Controls usados pela Gate Gourmet estão os controladores TC-900E Log (nas câmaras frias de conservação dos alimentos) e o PCT3001 Plus (nos racks de refrigeração). A proteção de todo o quadro elétrico é feita pelo supervisor de fase PhaseLOG E. A empresa paranaense Thermosolution, que atua desde 2008 desenvolvendo soluções, equipamentos e sistemas para refrigeração e climatização, foi a responsável pelas instalações.

 

 

Fonte: Full Gauge Controls

Portfolio Items