Electrolux integra iniciativa global Cool Coalition das Nações Unidas | Foto: Divulgação

 

Electrolux anunciou hoje (5) um plano para substituir todos os gases de alto impacto climático de seus equipamentos até 2023, no máximo, como parte de seus compromissos com a iniciativa global Cool Coalition, da Organização das Nações Unidas (ONU).
À medida que as temperaturas globais aumentam, a transformação da tecnologia de refrigeração dará uma grande contribuição à luta contra as mudanças climáticas, avalia a companhia.
Em todo o mundo, a eliminação progressiva dos gases fluorados de alto impacto climático, conhecidos como hidrofluorcarbonos (HFCs), tem o potencial de evitar até 0,4 °C do aquecimento global até 2100.
Os HFCs são frequentemente usados ​​em geladeiras, condicionadores de ar e outros aparelhos de refrigeração, além de secadoras e lavadoras com bombas de calor.
“A indústria de eletrodomésticos é um dos setores com um papel vital nos bastidores da luta contra a pandemia de coronavírus, já que geladeiras, máquinas de lavar ou condicionadores de ar são produtos essenciais na vida das pessoas”, diz Jonas Samuelson, CEO da Electrolux.
“Embora estes sejam tempos incertos para os negócios, acreditamos que enfrentar as mudanças climáticas reduzindo os gases de efeito estufa continua sendo um dos desafios mais urgentes para a sociedade. Estamos incentivando outras empresas do nosso setor a se juntarem a nós, pois todos compartilhamos a mesma responsabilidade”, ressalta.
Segundo o comunicado distribuído à imprensa, a Electrolux tem ambições de longo abrangentes para reduzir o impacto climático de seus negócios, cortando as emissões de CO₂ de suas operações em 25% até 2025, até se tornar totalmente neutra carbono em toda a cadeia de valor até 2050.

Fonte: Blog do Frio

O estado do Amazonas é um dos mais atingidos pelo novo coronavírus, com mais de 17.000 casos confirmados, o quarto maior número de diagnósticos entre os estados brasileiros e a maior taxa de mortalidade. Para colaborar com esta situação, a Gree Brasil acaba de doar um lote de materiais antiepidêmicos, incluindo 10.000 máscaras médicas e óculos de proteção e purificadores de ar, ao hospital 28 de agosto da cidade.

Os purificadores de ar estão sendo usados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital. O produto foi testado no Hospital de Huoshenshan, construído no tempo recorde de 10 dias em Wuhan, na China, e utilizado em outros hospitais chineses durante a luta contra a epidemia no país.

O “28 de agosto” é um dos principais hospitais da cidade de Manaus e também o que registrou maior número de casos confirmados de novo coronavírus na região. Segundo Marlene Pedreira, responsável pelo material hospitalar do 28 de agosto, a capacidade de atendimento do hospital está próxima da saturação. “É o momento mais difícil que já passamos. Este lote de materiais antiepidêmicos vai suprir um dos graves problemas que estamos enfrentando”, afirma.

Com o apoio da Embaixada da China no Brasil, no início de maio, a Gree Brasil participou ativamente de atividades de bem-estar público e doou materiais antiepidêmicos, como máscaras, para o Estado de São Paulo, o mais afetado pela Covid-19, bem como para à Associação Chinesa de Manaus e à comunidade local.

De acordo com Alex Chen, diretor comercial da Gree Brasil, a empresa está participando ativamente de empreendimentos públicos na cidade de Manaus. “Neste momento, é nosso dever, como empresa instalada na cidade e como cidadãos, ajudar nossa comunidade local”, afirma Chen.

O professor de engenharia civil e ambiental Herek Clack (à esquerda) e membros de sua equipe testando reator de plasma em fazenda de porcos; a dúvida agora é se a tecnologia pode ser usada no combate ao novo coronavírus | Foto: Robert Coelius/Universidade de Michigan

 

Um estudo liderado pelo professor Herek Clack, do departamento de engenharia civil e ambiental da Universidade de Michigan, nos EUA, comprovou, há pouco mais de um ano, a eficácia do plasma não térmico na inativação de vírus transportados pelo ar.

Sua equipe demonstrou como essa técnica de descontaminação do ar funciona contra o MS2, um patógeno que infecta bactérias e é conhecido por ser particularmente difícil de inativar.

Em um segundo estudo, Clack provou que o plasma não térmico também poderia inativar o vírus da síndrome reprodutiva e respiratória porcina (PRRSv), que afeta os porcos.

Agora, muitos curiosos estão entrando em contato com cientista para perguntar se esse gás especial, também conhecido como plasma frio ou NTP, poderia inativar o Sars-CoV-2, a nova cepa do coronavírus.
Especificamente, muitos querem saber se o plasma pode neutralizar o coronavírus nos sistemas de ar condicionado, segundo reportagem publicada no site da IEEE Spectrum, revista do conceituado Instituto Internacional de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos.

O plasma é um estado da matéria em que níveis de energia suficientemente altos fazem com que os elétrons sejam eliminados de suas órbitas e entrem em um estado livre. Naturalmente, esses elétrons radicais podem ser prejudiciais ao DNA e ao RNA dos vírus.

Em função das temperaturas relativas dos elétrons, íons e partículas neutras, os plasmas são classificados como térmicos ou não térmicos.
Plasmas térmicos possuem elétrons e partículas pesadas à mesma temperatura, isto é, eles estão em equilíbrio térmico entre si.  Plasmas não térmicos, por outro lado, possuem íons e átomos neutros a uma temperatura muito menor (normalmente temperatura ambiente), enquanto os elétrons são muito mais “quentes”.

 

 

Fonte: Blog do Frio

O Projeto para o Setor de Manufatura de Equipamentos de Refrigeração e Ar Condicionado (Projeto RAC), executado no âmbito do Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs (PBH), lançou recentemente um novo relatório técnico com informações atualizadas sobre o uso de fluidos alternativos de refrigeração em equipamentos de ar condicionado residenciais.

O conteúdo se baseia nas publicações mais recentes do Painel de Avaliação Econômica e Tecnológica (TEAP) do Protocolo de Montreal sobre Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio.

O texto, em português, organiza em um único documento os principais dados referentes a soluções tecnológicas com baixo Potencial de Aquecimento Global (GWP) e zero Potencial de Destruição do Ozônio (PDO), abordando os fluidos refrigerantes alternativos disponíveis, tipos de equipamentos para o setor de ar condicionado, eficiência energética, segurança e normas técnicas.

O documento poderá ser utilizado pelo setor de ar condicionado como referência sobre as tendências tecnológicas em discussão no âmbito do Protocolo de Montreal.

O relatório foi elaborado por Roberto Peixoto, engenheiro naval e professor de Engenharia Mecânica, Energia e Meio Ambiente no Instituto Mauá de Tecnologia (IMT). Peixoto também é membro do TEAP e co-presidente do Comitê de Opções Técnicas de Refrigeração, Ar Condicionado e Bombas de Calor (RTOC).

O Projeto RAC é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e implementado pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO). Um dos objetivos do projeto é estimular o setor de ar condicionado no Brasil a eliminar o uso do HCFC-22 – nocivo à Camada de Ozônio.

Para baixar o novo relatório técnico em português, clique aqui.

 

 

Fonte: Revista do Frio

 

Com mais de 75 anos de experiência na produção de controles de pressão para aplicações na indústria, a Danfoss oferece a maior gama se comparado a qualquer outro fabricante.
A linha de interruptores de pressão da Danfoss mede e controla a pressão de ar e líquidos.
Os pressostatos da Danfoss são controles e limitadores eletromecânicos, que controlam a pressão de ar e líquidos dentro de uma determinada faixa de pressão.

 

 

O agronegócio, ligado à indústria alimentícia, exige uma logística que permita manusear, conservar e transportar os alimentos de acordo com as normas de agências reguladoras e exigências internacionais, quando exportados.

Um dos principias elementos dessa cadeia é a refrigeração, que atende a um amplo segmento da indústria alimentícia, levando os produtores a investirem em processos e equipamentos para garantir a qualidade dos produtos. As oportunidades residem em aplicar, ampliar e melhorar o controle de temperatura nas várias etapas das cadeias produtivas.

 

Versatilidade

Os equipamentos de refrigeração devem ser flexíveis e atender as características da agricultura rotativa para absorver várias safras de diferentes produtos. Cada grão/semente tem características próprias de conservação, controle de desenvolvimento de fungos, perda de água e controle de germinação, o que determina a necessidade específica de refrigeração.

 

A principal característica é a busca pela preservação do produto na sua forma original, com a menor perda possível da qualidade e quantidade. As sementes, em contato com um ambiente que tem oscilações de umidade, têm a propriedade de absorver ou liberar água para o ar que as envolve, ou seja, mesmo depois de secas, ao entrarem em contato com um ambiente úmido, absorverão água novamente.

Portanto, se as sementes ficarem armazenadas em um ambiente onde a umidade oscila, estarão sujeitas a estragar com mais facilidade. Assim, um sistema de refrigeração bem projetado é que vai garantir o sucesso do processo.

 

Modernização na conservação de alimentos

A manutenção da cadeia do frio e o controle de qualidade são fundamentais para assegurar as boas condições dos produtos, proporcionando segurança ao consumidor. A instalação de modernos sistemas de refrigeração, além de atuar na conservação do alimento, permite a otimização do uso da energia.

Os equipamentos que funcionam próximos aos ambientes do agronegócio (plantações) necessitam de algumas características adicionais, como robustez, durabilidade, confiabilidade técnica, reserva de capacidade frigorífica e flexibilidade operacional frente à constante variação de demanda de carga térmica. Isto não elimina a necessidade de serem simples de operar, seguros e de fácil manutenção.

 

Sobre a Jetfrio

A Jetfrio atua no mercado de refrigeração e está comemorando nove anos de fundação com a ampliação de seus negócios, na venda de peças e equipamentos de refrigeração, e também sua oficina para retífica de compressores credenciada pela Bitzer, certificado Greenpoint seguindo o padrão mundial de qualidade.

 

 

 

A Jetfrio está na edição número 175 da revista Campo e Negocios, confira através do link.

 

Os condicionadores de ar são sistemas que consomem muita energia, provocando emissões de poluentes que contribuem para o aumento da temperatura da Terra – fato que, ironicamente, faz com que as pessoas comprem mais ares-condicionados.

Mas e se a sociedade pudesse usá-los para lutar contra a mudança climática? É o que um grupo de pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Karlsruhe, na Alemanha, sugeriu em um artigo publicado na Nature Communications  nesta semana.

Os cientistas dizem que os aparelhos do gênero podem ser adaptados para retirar dióxido de carbono (CO₂) e água da atmosfera, por meio de tecnologias de captura de carbono que estão atualmente em desenvolvimento por empresas como a Climeworks.

Uma vez coletada, a água e o CO₂ seriam convertidos em hidrocarbonetos e usados como combustíveis renováveis. Isso poderia criar uma rede de poços de petróleo sintético entre sistemas de ar condicionado de escritórios e edifícios, segundo o MIT Technology Review.

Como exemplo, os pesquisadores afirmam que a conversão de todos os condicionadores de ar na Fair Tower, icônico prédio localizado em Frankfurt, poderia extrair mil toneladas de dióxido de carbono da atmosfera por hora.

Contudo, o plano é altamente especulativo e puramente teórico, pois baseia-se no desenvolvimento bem-sucedido de várias tecnologias diferentes. Enfim, embora seja uma ideia interessante, há muitos desafios a serem abordados antes de torná-la realidade.

Os pesquisadores também temem que a promessa de uma solução fácil para o aquecimento global distraia as pessoas daquela que deveria ser sua prioridade número um: a redução drástica de emissões de CO₂.

 

 

Fonte: Blog do Frio

O carnaval de cores dos cilindros de fluidos refrigerantes vai acabar. A partir de janeiro do ano que vem, os recipientes dessas substâncias deverão ser pintados apenas com a tinta monocromática cinza seda (RAL 7044, na escala Pantone).

O objetivo dessa mudança radical é diminuir o risco de erro de identificação de compostos ocasionado por botijões com cores muito semelhantes, adotadas em função do protocolo usado atualmente pela indústria química global, informa o Instituto de Ar Condicionado, Aquecimento e Refrigeração dos EUA (AHRI, na sigla em inglês).

Devido ao expressivo número de refrigerantes homologados nos últimos anos e ao consequente aumento do número de cores atribuídas a essas substâncias, surgiu a preocupação em relação a potenciais erros na identificação de recipientes.

Em uma pesquisa da entidade com profissionais do setor, mais da metade dos participantes alegou que as cores das garrafas causavam confusão, cenário que tende a ficar ainda mais caótico com o surgimento de novos produtos no mercado.

Objetivo da mudança radical é diminuir risco de identificação equivocada de substâncias ocasionado por cilindros com cores semelhantes, ressalta AHRI

 

 

“A identificação equivocada de fluidos refrigerantes pode levar a sérios problemas de segurança porque eles têm pressões operacionais e propriedades físicas diferentes, incluindo inflamabilidade potencial”, alerta Helen Walter-Terrinoni, vice-presidente de assuntos regulatórios do AHRI.

A revisão da Diretriz N – Atribuição de Cores dos Cilindros de Refrigerantes, anunciada inicialmente em 2015, foi confirmada no mês passado pela associação norte-americana de fabricantes da área de climatização e refrigeração.

“O erro de identificação também pode causar danos aos equipamentos, caso os fluidos sejam utilizados sem levar em conta as aplicações adequadas. A diretriz atualizada garantirá que os refrigerantes continuem sendo utilizados de forma correta e segura”, diz a executiva.

O AHRI continuará a atribuir cores do sistema Pantone apenas para materiais impressos, incluindo rótulos dos cilindros e embalagens dos vasilhames descartáveis (DOT-39).

A diretriz revisada ainda exige que todos os cilindros de refrigerantes inflamáveis recebam uma faixa vermelha em sua parte superior. As alterações não se aplicam a produtos fabricados até sua entrada em vigor, ressalta o AHRI.

Embora as diretrizes da organização funcionem apenas como recomendações e não sejam exigidas por lei, praticamente todos os envolvidos na indústria aderem à Diretriz N.

 

 

 

Materiais impressos, como rótulos e embalagens dos vasilhames descartáveis, poderão continuar usando as cores do sistema Pantone atribuídas pelo AHRI aos fluidos refrigerantes

Conforme destaca o AHRI, os usuários devem estar cientes de que o rótulo no cilindro agora servirá como o principal meio de identificar corretamente os fluidos frigoríficos.

Enfim, essa transição não vai, necessariamente, tornar a vida mais fácil ou mais difícil para empreiteiros ou técnicos – ela simplesmente significa que todos terão de ser cuidadosos e verificar com atenção o rótulo na botija para fazer a seleção correta de um produto.

 

 

 

Cálculo de BTU = Potência do aparelho

O BTU é um sistema britânico de medição de potência de climatização. É uma medida que tem a ver com a capacidade que um aparelho de ar condicionado tem para resfriar ou para aquecer um ambiente.

Ou seja, o cálculo de BTU é válido tanto para a função Frio quanto para a função Quente. Do ponto de vista da potência, não há diferença. O esforço feito pelo motor do ar-condicionado é para alcançar as configurações de temperatura determinadas pelo usuário.

Pense assim: se você precisa mudar a temperatura do seu cômodo de X para Y, os esforço do compressor, da condensadora, da evaporadora e demais partes do equipamento, será o mesmo. Levando-se em conta, claro, condições similares. E aqui, então, cabe fazer uma observação.

Condições diferentes

Só porque o cálculo de BTU tem a ver com a potência e não com a função a ser executada pelo ar-condicionado, isso não quer dizer que um determinado ambiente vai ser bem atendido no frio e no calor pelo mesmos número de BTU.

Ar-condicionado no modo Frio

O que isso quer dizer? Bom, quer dizer que é preciso levar em conta fatores que interferem no resfriamento e no aquecimento. Por exemplo, para a potência de resfriamento você precisa levar em conta:

  • Portas e janelas
  • Incidência do sol
  • Trânsito de pessoas
  • Quantidade de equipamentos eletrônicos
  • Temperaturas locais
  • Formato do ambiente

Acesse aqui a Calculadora de BTU e descubra a potência ideal para o seu ambiente

Ar-condicionado no modo Quente

Enquanto isso, para o aquecimento, você levaria em conta, além desses itens acima, o seguinte:

  • Entradas e saídas de ar
  • Quantidade de pessoas
  • Material de que é feito o ambiente

São alguns exemplos do que poderia ser considerado. Ainda mais tendo em vista que o frio pode ser sugerido facilmente pela impressão que o ambiente passa para as pessoas.

Uma simples corrente de ar pode causar calafrios e fazer o corpo baixar a temperatura.

 

Fonte: web ar-condicionado