A Chemours lançou  na 21ª Feira Internacional de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação, Aquecimento e Tratamento do Ar (Febrava), em São Paulo, o solvente industrial Opteon SF80, uma substância alternativa ao hidroclorofluorcarbono (HCFC) R-141b.

Segundo a indústria química, o produto da sua linha de fluidos refrigerantes à base de hidrofluorolefinas (HFOs) “será largamente utilizado como agente de limpeza em praticamente todos os sistemas de refrigeração e climatização”.

A Chemours destaca que, quando comparado ao R-141b, o Opteon SF80 apresenta maior poder de solvência, e impacto ambiental extremamente reduzido por possuir um baixíssimo potencial de aquecimento global (GWP, em inglês).

“O Opteon SF80 é fácil de usar e proporciona confiabilidade e segurança durante a manutenção de equipamentos, já que não é inflamável”, assegura o gerente de produtos fluorados da filial brasileira, Renato Cesquini, ao salientar que “esse fluido chega ao mercado num momento em que o R-141b terá uma redução de disponibilidade de 90,03% a partir de janeiro de 2020, conforme estabelece o Protocolo de Montreal”.

 

 

Outras novidades

A multinacional norte-americana também aproveita a principal feira latino-americana da indústria de climatização e refrigeração para mostrar aos empresários e profissionais do setor os benefícios econômicos e ambientais da sua linha de HFOs, com destaque para o Opteon XP40 (R-449A).

“Trata-se de um fluido refrigerante de baixo GWP e nenhum potencial de destruição de ozônio (ODP) que pode melhorar a eficiência energética dos sistemas de refrigeração comercial, reduzindo o gasto de energia em até 12%”, diz Cesquini, ao lembrar que ele foi desenvolvido para substituir o hidrofluorcarbono (HFC) R-404A e o hidroclorofluorcarbono (HCFC) R-22 em equipamentos novos ou existentes.

Para esse segmento, a Chemours está apresentando casos de sucesso de varejistas que adotaram essa solução. No Brasil, mais de 50 supermercados já estão utilizando Opteon XP40 em suas instalações frigoríficas. “No mundo todo, são mais de dois mil estabelecimentos, número que cresce continuamente”, revela.

 

Cálculo de BTU = Potência do aparelho

O BTU é um sistema britânico de medição de potência de climatização. É uma medida que tem a ver com a capacidade que um aparelho de ar condicionado tem para resfriar ou para aquecer um ambiente.

Ou seja, o cálculo de BTU é válido tanto para a função Frio quanto para a função Quente. Do ponto de vista da potência, não há diferença. O esforço feito pelo motor do ar-condicionado é para alcançar as configurações de temperatura determinadas pelo usuário.

Pense assim: se você precisa mudar a temperatura do seu cômodo de X para Y, os esforço do compressor, da condensadora, da evaporadora e demais partes do equipamento, será o mesmo. Levando-se em conta, claro, condições similares. E aqui, então, cabe fazer uma observação.

Condições diferentes

Só porque o cálculo de BTU tem a ver com a potência e não com a função a ser executada pelo ar-condicionado, isso não quer dizer que um determinado ambiente vai ser bem atendido no frio e no calor pelo mesmos número de BTU.

Ar-condicionado no modo Frio

O que isso quer dizer? Bom, quer dizer que é preciso levar em conta fatores que interferem no resfriamento e no aquecimento. Por exemplo, para a potência de resfriamento você precisa levar em conta:

  • Portas e janelas
  • Incidência do sol
  • Trânsito de pessoas
  • Quantidade de equipamentos eletrônicos
  • Temperaturas locais
  • Formato do ambiente

Acesse aqui a Calculadora de BTU e descubra a potência ideal para o seu ambiente

Ar-condicionado no modo Quente

Enquanto isso, para o aquecimento, você levaria em conta, além desses itens acima, o seguinte:

  • Entradas e saídas de ar
  • Quantidade de pessoas
  • Material de que é feito o ambiente

São alguns exemplos do que poderia ser considerado. Ainda mais tendo em vista que o frio pode ser sugerido facilmente pela impressão que o ambiente passa para as pessoas.

Uma simples corrente de ar pode causar calafrios e fazer o corpo baixar a temperatura.

 

Fonte: web ar-condicionado

 

A solução de supervisão foi evoluída, integrando as últimas tecnologias disponíveis no mercado e explorando-as para todas as aplicações de refrigeração e ar condicionado.
A experiência com o PlantVisorPRO deu origem ao BOSS!
A nova interface permite que o sistema supervisório possa ser acessado diretamente de um smartphone ou tablet, através da rede Wi-Fi criada pelo próprio sistema supervisório.
Software em conformidade com os padrões avançados de segurança.
Novos canais de notificação de alarme para uma resposta rápida (mensagens instantâneas)

 

 

A Jetfrio esteve presente em mais uma edição da PMA Fresh, confira galeria de fotos.

Muito utilizados para climatizar o ambiente, o aparelho de ar condicionado e a lareira servem como meios para adequar a temperatura de acordo com a necessidade dos usuários. Em dias de calor intenso, o ar-condicionado é uma grande alternativa para refrigerar o ar, deixando-o mais agradável e melhorando o bem estar das pessoas que o frequentam.

Por outro lado, as lareiras tornam-se uma ótima solução para aquecer a casa durante as baixas temperaturas registradas no ápice do inverno. As chamas provocam calor e deixam o ambiente mais aconchegante. Claro que existem os equipamentos de Ciclo Reverso que também fazem o aquecimento, mas tem outro charme numa lareira, não é mesmo?

Porém, apesar de possuírem funções semelhantes (climatizar o ambiente), você sabe por que o aparelho de ar é instalado no alto e a lareira localiza-se embaixo?

As diferenças do aquecimento da lareira e do ar-condicionado

Quando falamos de esfriar ou esquentar, é que encontramos a diferença: se dá pelo fato de o ar-condicionado refrigerar e a lareira aquecer que o posicionamento de cada um pode ser explicado. O funcionamento do aparelho de ar condicionado se baseia na retirada de ar quente do ambiente e devolução de ar frio para o mesmo.

Isso ocorre baseado na forma de transferência de calor, denominada de convecção. Esse é um processo de troca de calor que acontece através das correntes de convecção. É devido a essas correntes que o ar do meio, onde está localizado o condicionador de ar, fica bem agradável.

Por que o ar-condicionado fica em cima?

É o mesmo caso do congelador, que fica localizado na parte superior da geladeira. A resposta para essa pergunta é simples. Como dito anteriormente, o ar-condicionado refrigera o ar através das correntes de convecção que ocorrem quando ele é ligado. Essas correntes acontecem em razão das diferenças de densidade do ar frio e do ar quente.

O ar quente sendo menos denso sobe, em contrapartida, o ar frio (mais denso) desce, formando as correntes de convecção. Por esse motivo é que o ar condicionado é colocado na parte superior do ambiente e o mesmo acontece na geladeira, garantindo assim a refrigeração dos alimentos que se encontra em seu interior.

E se o ar-condicionado estiver ligado no quente?

Ainda vale a regra, pois o posicionamento do aparelho tem que favorecer ambas as suas funções. E ainda que o ar quente suba, uma hora, sua densidade será tanta no cômodo, que ela serrá empurrada para baixo, além, é claro, dos direcionadores da evaporadora, que ajudam nisso.

E como funciona isso na lareira?

Já com a lareira acontece justamente o processo inverso, pois o ar quente produzido sobe exalando calor naturalmente. É por esse motivo que ela deve ser colocada em posição inferior, já que a sensação térmica pode ser sentida pelo fato de a corrente de calor ser direcionada para o alto.

Dessa maneira, o fato de o ar-condicionado ficar em cima e a lareira estar sempre embaixo pode ser justificado pela direção da corrente de ar produzida por ambos.

 

 

Fonte: https://www.webarcondicionado.com.br/

 

A JetFrio Litoral iniciou uma série de palestras em 2019, para seus clientes da área técnica, empresários e profissionais que estão iniciando no ramo da refrigeração.

No dia 25/07/2019 os profissionais da Jetfrio assistiram a palestra ministrada pela Xsense apresentando o sistema de monitoramento de cadeia fria.

Mecânicos de refrigeração residencial devem se manter atualizados para trabalhar com fluido refrigerante inflamável.

 

 

Em se tratando de fluidos refrigerantes, o mercado de refrigeração residencial está num momento de transição. Passamos por isso nos anos 2000, quando fabricantes de refrigeradores deixaram de utilizar o clorofluorcarbono (CFC) R-12 e começaram a fabricar seus equipamentos com o hidrofluorcarbono (HFC) R-134a. Da mesma forma, nesta última década, a indústria de climatização está deixando de fabricar equipamentos com o hidroclorofluorcarbono (HCFC) R-22 e aderindo ao HFC R-410A.

O fato é que toda mudança exige um período de adaptação e, consequentemente, atualização profissional, seja por meio de cursos, palestras ou treinamentos técnicos. O que vem acontecendo com o mecânico da linha doméstica é que, quando ele se depara com o isobutano (R-600a), logo quer tirar esse hidrocarboneto (HC) altamente inflamável (A3) e colocar no sistema de refrigeração o bom e velho R-134a. E isso é extremamente errado.

O projeto do refrigerador e compressor foi baseado nas características do R-600a, inclusive o limite de temperatura de evaporação e condensação, que chamamos tecnicamente de envelope do compressor. A densidade, o volume específico e o ponto crítico são levados em consideração num projeto de desenvolvimento e ainda demora anos para se alcançar o resultado esperado.

Aí o mecânico desatualizado e que nem imagina o que são boas práticas aplica a carga de gás refrigerante por pressão com o R-134a (que já não pode) e acaba ocasionando um baixo rendimento do sistema. E aí começam aparecer avarias que não existiam no refrigerador original com R-600a.

Baseadas nessa constatação, aqui vão quatro dicas técnicas que irão auxiliar o refrigerista a conhecer melhor esse fluido refrigerante:

1 – O R-600a é mais denso que o ar que respiramos. Portanto, se houver vazamento, ele tende a ficar próximo à região do compressor e, se tiver uma pequena faísca, ele pega fogo. Por isso, ventile bem o local onde constatou-se vazamento para se trabalhar com segurança.

2 – A pressão de trabalho do R-600a em refrigeradores será abaixo da pressão atmosférica, ou seja, o refrigerador trabalhará em vácuo para atingir uma temperatura de evaporação média de -28 °C. Mas cuidado, a quantidade de R-600a menor que a original também faz o refrigerador trabalhar em vácuo, mas perde rendimento enorme.

3 – A quantidade de R-600a em gramas é pequena. Utilize uma balança de precisão de baixo custo e você consegue manter o rendimento idêntico ao do fabricante.

4 – Sites dos fabricantes, cursos, palestras e videoaulas na internet são a melhor opção para se manter atualizado.

Fonte: https://blogdofrio.com.br/manuseio-e-utilizacao-de-r-600a-exigem-atualizacao-profissional/

O Termostato Ambiente TVCPI101 é um componente elétrico que tem como função controlar a temperatura do ambiente. ☑❄
E aqui na Jetfrio você encontra diversos modelos 🛒

TERMOSTATO AMBIENTE SCE ND122-220V 02EST/02VEL/Q/F

TERMOSTATO AMBIENTE SCE ND122-24V 02EST/02VEL/Q/F

TERMOSTATO AMBIENTE SCE NI122-220V 02EST/01VEL/Q/F

TERMOSTATO AMBIENTE SCE NI122-24V 02EST/01VEL/Q/F

TERMOSTATO AMBIENTE SCE PI101-220V 01EST/01VEL/FRIO

TERMOSTATO AMBIENTE SCE PI101-24V 01EST/01VEL/FRIO

TERMOSTATO AMBIENTE SCE PI102-220V 02EST/01VEL/Q/F

TERMOSTATO AMBIENTE SCE PI102-24V 02EST/01VEL/Q/F

TERMOSTATO AMBIENTE SCE PI111-220V 02EST/01VEL/Q/F

TERMOSTATO AMBIENTE SCE PI122-220V 02EST/01VEL/Q/F

TERMOSTATO AMBIENTE SCE PI301-220V 01EST/03VEL/FRIO

 

Consulte um de nossos vendedores pelo telefone (11) 2095-2000

*Imagem meramente ilustrativa

Nova linha Bitzer Q! O MÓDULO BITZER IQ Module e Master pode lidar com tudo isso e muito mais. Assista a estes vídeos e descubra as novas possibilidades com o MÓDULO IQ para compressores alternativos.

Como distribuidor e Autorizado Bitzer, a JetService disponibiliza esses produtos e toda a linha Bitzer.

 

 

 

Assista os vídeo de apresentação:

BITZER IQ MODULE MASTER

 

 

IQ MASTER POR MEDIUM SIZE