Compressores Parafuso Semi-Herméticos Compactos – Linha CSW e CSH Bitzer

Semi-herméticos e compactos, equipados com regulagem de desempenho mecânica e um esquema de limite de aplicação – os compressores de parafuso são próprios para uso industrial em grupos de resfriamento de líquido e bombas de aquecimento. O sistema integrado para separação de óleo possibilita uma montagem simples uma rápida instalação do sistema.

CSW – Os parafusos compactos da nova série CSW estão consequentemente otimizados para a aplicação em conjuntos de refrigeração de líquidos R134a, operados a baixas temperaturas de condensação. Devido a esse fato, também são especialmente adequados para sistemas com condensador refrigerado a água, refrigeradores industriais, bem como sistemas com condensador refrigerado a ar no funcionamento com condições climáticas moderadas. Através do desenvolvimento específico para estas aplicações permitiu aumentar significativamente a eficiência nos âmbitos de plena carga e carga parcial. Além disso, foram ampliados significativamente os limites de utilização em temperaturas de condensação baixas. Desta forma, obtêm-se valores para esta série de compressores ESEER-/IPLV*, que são muito superiores comparativamente aos padrões internacionais usuais de compressores de parafusos compactos.

CSH – A atual série “CSH” tem por base os elementos de construção dos parafusos compactos BITZER comprovados e mundialmente reconhecidos como padrão de referência. O seu aperfeiçoamento foi realizado levando em conta a aplicação universal específica em conjuntos de refrigeração de líquidos refrigerados por ar, bem como em bombas de calor. Além das já conhecidas características, os compressores destacam-se graças ao contínuo aperfeiçoamento em termos de eficiência energética em plena carga e carga parcial. Além disso, foram ampliados os limites de utilização, quer em relação a baixas temperaturas de condensação, quer a condições de elevada pressão (bombas de calor) – sem comprometer a segurança de funcionamento.

Fonte: Bitzer

 

Controlador do Compressor Scroll Digital™ Copeland

O controlador do compressor Scroll Digital™ Copeland é a interface eletrônica entre o compressor Scroll Digital Copeland ou compressor Discus Digital Copeland e o controlador do sistema.   O compressor Scroll Digital Copeland é projetado somente para compressores Scroll Digital Copeland de fase única e compressores Scroll Digital e Discus Digital Copeland trifásicos.  Esse controlador de compressor modula o compressor com base em uma entrada do controlador do sistema dos OEMs, que mede temperatura, pressão ou umidade para calcular a capacidade de compressor necessária, comunicando essa capacidade ao controlador do compressor por sinal analógico.

Implementação Rápida

Ao utilizar o controlador do compressor Scroll Digital Copeland, não será necessário nenhum controlador de sistema complicado para que você aproveite os benefícios de modulação do compressor. Sistemas acionados por inversor normalmente exigem controladores especiais para gerenciar o inversor, as válvulas solenoides extra e os complicados sistemas de gestão de óleo.   O controlador do compressor Scroll Digital Copeland pode ser instalado dentro do gabinete da unidade externa e facilmente fiado ao sistema.

Para empreiteiros, o controlador do compressor Scroll Digital Copeland facilita o recondicionamento dos sistemas existentes com compressores Scroll Digital ou Discus Digital Copeland.  Com os componentes eletrônicos contidos no controlador, o compressor pode ser usado para atualizar os sistemas existentes, fornecendo melhor controle de temperatura e melhor eficiência energética.

Potencialidade de Diagnóstico Reduz Tempo Ocioso

Esse controlador não apenas modula os compressores Digital, mas também detecta problemas comuns do sistema e pisca um LED da “Alerta” para direcionar técnicos de reparo à causa-raiz.

As falhas detectadas por este controlador incluem:

O controlador detecta esses problemas monitorando o compressor, a temperatura do gás de descarga e o nível de energia para o compressor. Isso aumenta a exatidão do técnico de reparos, reduz o tempo de diagnóstico e resolução de problemas e reduz a frequência de substituições de compressores “Sem Defeito”.

Potencialidade de Proteção do Compressor

Uma vez detectada uma das falhas de sistema acima, o controlador do compressor Scroll Digital Copeland toma medidas para prevenir danos ao compressor. Por exemplo, se condições de temperatura de descarga alta consecutivas são detectadas, o compressor é tirado de serviço até que o problema seja resolvido.   O controlador desativa o compressor quando uma condição de rotor travado é reconhecida, evitando o superaquecimento. Se o termistor de descarga ficar frouxo ou apresentar defeito, o controlador restringe a saída máxima do compressor em 50%, de forma que o aquecimento ou resfriamento seja abastecido enquanto reduz o risco de superaquecimento.

 

Fonte: Copeland

TÚNEL CONGELADO RÁPIDO / ULTRA CONGELADORES

A forma construtiva de um túnel de congelamento rápido visa obter um grande fluxo de ar intenso e de baixa temperatura diretamente sobre os produtos a serem congelados, de modo que muitas trocas térmicas ocorram em pouco tempo. O segredo esta na ventilação interna do túnel diretamente no produto ,  e os equipamentos de refrigeração correspondentes, para manter a baixa temperatura desse ar circulante. Este recurso não é encontrado em câmaras de armazenamento congeladas, que geralmente são apenas destinadas a manter a temperatura de produtos que já estavam congelados quando armazenados lá. Então, para um túnel de congelamento rápido, também há necessidade de equipamentos robustos, desde compressores, condensadores até evaporadores e refrigeradores de grande capacidade.

Sem esquecer a parte elétrica que será o fornecedor de toda essa energia.

Uma vez que é um equipamento especial, deve-se ter cuidado para garantir que o design rápido do túnel de congelamento contemple todas as variáveis ​​envolvidas. É necessário escolher uma empresa com experiência na área e que possui tecnologia moderna para obter o melhor retorno do capital investido.

Tunel de congelamento rápido x Alimento adequado ao consumo :Quanto mais rápido for o processo de congelamento, além de preservar as qualidades do produto, menor será a proliferação de bactérias
e maior sua vida útil.

Tunel de congelamento rapido x Eficiencia : O processo de mudança de resfriados para congelados deve ser feito no menor tempo possível para preservar o sabor, cor e textura que serão conservados na câmara de congelados.

Tunel de congelamento rapido x Produtos com mais qualidades :O Congelamento Rápido permite que este processo ocorra no menor tempo possível para que o seu produto não sofra alterações em suas propriedades fundamentais (cor, sabor e textura) e continue com sua qualidade inicial preservada

 

Fluidos Refrigerantes mais indicados na fabricação de tuneis de congelamento rapido : Co2 , 404 e suva 507.

 

Sinônimos: 1,2-propanodiol; 1,2-di-hidroxi-propano; monopropileno glicol; metil-glicol
Grupo químico: Poliálcool
Fórmula molecular: C3H8O2
Fórmula química: HOCH2–CHOH–CH3
Peso molecular: 76,09
ONU Nº: Não classificado
CAS: 57-55-6
Aspecto: Líquido viscoso, límpido e incolor; praticamente inodoro; sabor ligeiramente picante. Exposto ao ar úmido, absorve umidade.
Densidade (20 oC): 1,035 a 1,037
Ponto de ebulição a 760 mmHg: 184 a 189 ºC
Solubilidade: Miscível em qualquer proporção com água, com acetona e com álcool; solúvel no éter; dissolve vários óleos essenciais; não miscível com óleos fixos.

Aplicações:
O propilenoglicol é o único entre os glicóis que, devido à sua baixa toxidade, pode ser ingerido. Assim como outros glicóis, o propilenoglicol não tem cor nem cheiro e apresenta uma grande capacidade de solubilização de materiais orgânicos, além de ser completamente solúvel em água.

Fluído de refrigeração:
A indústria de alimentos faz largo uso do propilenoglicol-USP como meio de transferência de calor.
O propilenoglicol pode ser utilizado como fluído secundário de refrigeração para grandes tanques ou câmaras frigoríficas, com baixíssimos riscos de graves contaminações, no caso de eventuais vazamentos.
Além disso, quando inibido contra a corrosão, aumenta a vida útil dos equipamentos e, devido ao seu efeito lubrificante, diminui a energia gasta no bombeamento. O propilenoglicol-USP também é utilizado para a fabricação de gelo e para processos de congelamento por imersão.

Limpeza de equipamentos:
O propilenoglicol é de grande ajuda na prevenção da contaminação pelos equipamentos utilizados no processo. Após períodos de inatividade ou na troca do alimento a ser processado, a passagem de propilenoglicol na linha, tubulação, válvula, etc…, previne uma possível contaminação microbiológica proveniente da proliferação de micro-organismos nos restos de alimentos que permanecem após o processo de limpeza.

Solvente para antioxidantes:
Hidroxianizol (BHA), hidrotolueno butilado (BAT) e galato de propila são antioxidantes de alimentos vendidos em solução de propilenoglicol.

Outras aplicações:
O propilenoglicol também é utilizado como plastificante na fabricação de rolhas, solvente para tintas de escrever, intermediário químico na fabricação de emulsificantes, umectante e agente lubrificante na indústria de rações, bacteriostáticos em formulações de condicionadores de ambiente, na homogeneização de bebidas, na indústria de papel e em adesivos.

Fonte: Quimidrol

 

Nas ultimas décadas com a preocupação das mudanças climáticas ocorridas no globo terrestre, a comunidade científica tem buscado novas fontes para substituição dos compostos halogenados, principalmente os CFC´s, que destroem a camada de ozônio, bem como aqueles que colaboram com o efeito estufa. Nesse sentido, diversos pesquisadores estão retomando ou iniciando estudos envolvendo o dióxido de carbono, R-744, que esteve em evidência até 1940, quando por meio de rentabilidade, estabilidade e facilidade na construção dos equipamentos, começaram a ter como refrigerante a amônia, NH3, CFC-12 e posteriormente o HCFC-22. O número de projetos apresentados nas conferências anuais está aumentando consistentemente e, com o tratado de Kyoto, que trata do aquecimento global, a tendência é o incremento substancial das pesquisas, inclusive aquelas apoiadas por indústrias, pelo motivo financeiro.

Porém, existe uma pequena desvantagem no uso de fluído refrigerante CO2 (R-744) que se encontra no seu coeficiente de eficácia, COP, ser baixo quando operado com altas temperaturas ambientes, comparado com outros fluidos refrigerantes. Uma medida eficaz é a utilização de ciclos em cascata, onde o fluído refrigerante CO2 é utilizado no circuito de baixa temperatura e outro fluido refrigerante, R-134a, R404A, Amônia, entre outros, é usado no circuito de alta temperatura. Assim, a condensação do fluído refrigerante CO2 se dá com a evaporação do outro fluido, elevando o COP do ciclo. Uma tendência já adotada por algumas indústrias automobilísticas da Europa é a substituição dos compostos halogenados, principalmente o R-134a, chamado erroneamente de refrigerante ecológico, pois colabora direta e indiretamente com o efeito estufa, onde a partir de 2010 todos os veículos automotores devem sair da fábrica com o sistema de ar condicionado operando com o dióxido de carbono como fluido de trabalho. Entretanto, deve ser destacado que o CO2 em sistemas automotivos opera de maneira distinta dos fluidos halogenados. Enquanto os halogenados acontece a condensação do fluido, nos sistemas com CO2 ocorre um resfriamento do fluido, pois as temperaturas, nesse caso, superam a temperatura crítica do CO2. Esses sistemas são denominados de ciclos transcríticos.

 

Fonte:  POSMEC – Simpósio do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica
(Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica)

  • Fácil para você.
  • O Range selecionado para aplicações comuns.

CHILLERS – Os MCHEs operam com uma carga de refrigerante 70% menor do que as serpentinas tubo-aleta. Quando um MCHE é usado como condensador, ele proporciona um sistema mais amigável ambientalmente. Como fabricante, isso significa que você pode atender às normas legais, obter uma certificação ambiental e tirar vantagem de incentivos fiscais ambientais.

UNIDADES CONDENSADORAS – A excelente transferência de calor no MCHE aumenta a eficiência de seus produtos, tornando possível a construção de um produto de alta performance com um design mais fino (utilizando a mesma área frontal). Com produtos compactos e com maior eficiência energética, você economiza no material, transporte e armazenamento. Ao mesmo tempo, você aumenta a atratividade na sua oferta aos clientes.

DISPLAY INTERNO/MÁQUINAS DE GELO – Em lojas de varejo de alimentos e bebidas, cada centímetro é importante. Construir gabinetes com os compactos e eficientes MCHEs permite a você maximizar o espaço disponível para exposição de produtos, minimizando a necessidade de espaço para as máquinas. Da mesma forma, os MCHEs permitem um design mais compacto para máquinas de gelo usadas em hotéis ou restaurantes, onde o espaço também é limitado.

AC RESIDENCIAL – Os MCHEs possuem uma perda de carga do lado do ar menor do que as serpentinas tubo-aleta, o que significa que eles funcionam com menor nível de ruído – ao mesmo tempo em que consomem menos potência do ventilador. Isso é obviamente uma grande vantagem em aplicações residenciais e garante que, como fabricante, você seja capaz de atender às regulamentações do mercado local no que diz respeito aos níveis de ruído. Além disso, os seus 70% de redução de carga de refrigerante permitem o design de sistemas de AC mais ecologicamente corretos.

SECADORES DE AR – Quando os MCHEs são usados em secadores de ar, a sua alta eficiência e natureza compacta lhe permitem alcançar novos clientes. Os MCHEs oferecem um menor consumo de energia e menor carga de refrigerante, para que você possa desenvolver soluções de baixo custo com um forte perfil ambiental.

BALCÕES REFRIGERADOS – Proteja os sistemas mais sensíveis de seus clientes com os nossos inovadores e confiáveis MCHEs. Sua excelente transferência de calor permite que você produza unidades compactas e eficientes. Combinado com um baixo volume interno e, consequentemente, carga de refrigerant
Se reduzida, isto também significa uma redução significativa em emissões de CO2.

SPLIT/ROOFTOPS – Os MCHEs oferecem várias vantagens sobre as tecnologias de trocadores de calor tradicionais. Sua carga de refrigerante 70% menor torna seus sistemas mais rentáveis, reduzindo os impactos ambientais. Além disso, os sistemas que usam os MCHEs pesam muito menos, o que pode fazer uma grande diferença ao se posicionar um equipamento em um telhado.

 

 

Os MCHEs possuem um design simples – feitos inteiramente em alumínio o que os torna não apenas leves, mas também impede a corrosão galvânica.

  • Desempenho Garantido.
  • Qualidade Garantida.

Fonte: Danfoss

Fluído Refrigerante Amônia (NH3) é um conhecido refrigerante, especialmente aplicável em grandes instalações industriais onde suas vantagens podem ser completamente utilizadas sem comprometer a segurança.

Amônia é conhecida pelas suas propriedades termodinâmicas favoráveis. Em uma ampla faixa de aplicações, que superam os refrigerantes sintéticos. No entanto, possui diversas desvantagens que têm impedido a utilização da amônia em aplicações comerciais, por exemplo, compatibilidade, toxicidade e inflamabilidade de material.

Eficiência: A amônia é um refrigerante altamente eficiente, com uma eficiência teórica ligeiramente superior ao do R134a ou do propano. Na prática, há evidências de que os sistemas de amônia são executados de maneira ainda melhor do que na teoria.

Segurança: Devido à toxicidade e à inflamabilidade da amônia, as instalações que utilizam amônia são orientadas pelas regulamentações nacionais. Mesmo com as rigorosas regulamentações no lugar para garantir a segurança em funcionamento, existe pressão em instalações de amônia para reduzir os níveis de carregamento, especialmente quando situadas em áreas povoadas.

Uma forma de adaptar-se às questões de segurança é utilizar a amônia como um refrigerante em combinação com CO2 para temperaturas médias ou elevadas, ou em aplicações em cascata para baixas temperaturas.

A equipe de manutenção no local deve ter uma formação apropriada para lidar com amônia, de modo a garantir o funcionamento seguro do sistema.

Meio ambiente: A amônia é um refrigerante natural. Possui zero potencial de deterioração e zero potencial de aquecimento global. Em combinação com sua eficiência, é um dos refrigerantes mais ecológicos.

Pressão e Tamanho da Instalação: As pressões de operação da amônia são comparáveis aos de outros refrigerantes comuns (HFC e HCs) e têm um ponto de ebulição normal relativamente alto (-33,3 °C). A amônia tem alta capacidade volumétrica, portanto as linhas de tubulação de amônia são menores do que as linhas de tubulação de HFC. Deve-se observar, no entanto, que quando a amônia é utilizada para linhas de sucção, as linhas são maiores em comparação àquelas de CO2.

Propriedades Químicas: A amônia é compatível com todos os materiais comuns, exceto cobre e latão. Isso significa que apenas tubos de aço soldados podem ser utilizados. Além disso, é necessário utilizar compressores semi-herméticos ou compressores herméticos com revestimentos especiais de motor ou fios de alumínio do motor.

A amônia não é miscível com óleos comuns. Além disso, a amônia é mais leve que o óleo, o que faz com que os sistemas de retorno de óleo sejam relativamente simples.

Eficiência de custos: A amônia é um refrigerante barato e disponível em abundância. As instalações de amoníaco, no entanto, tendem a ser relativamente caras devido aos requisitos de tubulações em aço, compressores semi-herméticos e a instalação de vários dispositivos de segurança, como detectores de gás.

Aplicações:
Atualmente, a amônia é principalmente usada em aplicações de refrigeração industrial:
• Distribuição em armazéns frigoríficos
• Túneis de congelamento
• Cervejarias
• Instalações de processamento de alimentos (matadouros, fábricas de sorvetes, etc.)
• Barcos de pesca

Estas aplicações possuem uma alta capacidade de carga, no entanto, existem esforços contínuos para desenvolver sistemas de amônia de baixa carga, de modo a aproveitar as propriedades termodinâmicas e ambientais benéficas da amônia. Alguns dos esforços desenvolvidos pela Danfoss e parceiros de pesquisa são para desenvolver sistemas de baixa carga com novos e avançados algoritmos de controle, um maior desenvolvimento dos trocadores de calor otimizados de amônia, além de sistemas DX e novos sistemas em cascata com o CO2.

Fonte: Danfoss

Cortina Noturna Roll-on

Projetada para economizar energia e manter a qualidade dos produtos refrigerados, as Cortinas Noturnas Roll-on Dracma ajudam a manter a temperatura do refrigerador conservando os alimentos. O equipamento possui longa durabilidade e esta de conformidade com as normas sanitárias. As Cortinas Noturnas Roll-on Dracma são fabricadas em PVC micro perfurado, permitindo a troca de temperatura e mantendo o frio interno sem condensação nas embalagens.