A remanufatura é a desmontagem de um compressor, que será analisado minunciosamente para ser constatado o que está ocorrendo com o mesmo.

Se necessário a remanufatura um especialista abrirá o compressor usado, limpará suas peças e em seguida analisará as peças do compressor para saber quais estão danificadas e precisam ser substituídas por novas.

Para finalizar são feitos os teste de qualidade de todos os itens que foram inseridos no compressor.

Finalizado este processo o compressor remanufaturado terá as mesmas características de um compressor novo.

A remanufatura de compressores aplica-se a grande parte das marcas e modelos, os abertos de baixa e alta rotação, os alternativos semi-herméticos, os parafusos, os de uso comercial e industrial.

1º Desmontagem do compressor

2º Em processo de montagem

3º Compressor finalizado

Em um circuito de refrigeração, o mesmo fluido refrigerante pode trabalhar com diferentes pressões e temperaturas. Essa variação de condições permite que o refrigerante mude de estado físico: de líquido para gasoso e de gasoso para líquido.

O papel da pressão de trabalho no circuito de refrigeração

Os fluidos refrigerantes se caracterizam por evaporarem a baixas pressões (baixas temperaturas) e condensarem a altas pressões (altas temperaturas). Com essas mudanças, o fluido refrigerante retira o calor de dentro do sistema de refrigeração (evaporador) e libera para o ambiente externo (condensador), completando assim o ciclo de refrigeração. Para manter a diferença de pressão entre a região de alta e a de baixa, entram em cena dois importantes componentes: o elemento de controle e o compressor. O elemento de controle pode ser o tubo capilar ou a válvula de expansão. Ele é responsável por manter a diferença de pressão entre o condensador (alta pressão) e o evaporador (baixa pressão). Ao criar uma resistência à circulação do fluido, o elemento de controle faz com que o refrigerante, vindo do condensador, passe de líquido aquecido a alta pressão para líquido resfriado a baixa pressão, indo em direção ao evaporador.
No evaporador, ambiente de baixa pressão, o fluido passa do estado líquido para o estado gasoso, absorvendo calor do ambiente interno nesse processo. Ao sair do evaporador, o fluido refrigerante é succionado pelo compressor. Então, o compressor comprime o gás, aumentando pressão e elevando a temperatura do fluido. Após isso, o refrigerante é bombeado para o condensador. No condensador, o fluido sob alta pressão libera o calor para o ambiente e transforma-se em líquido. Então, o fluido passa pelo filtro secador e segue para o elemento de controle, dando continuidade ao ciclo.

Fluidos têm pressões de trabalho específicas

Cada fluido refrigerante possui pressões específicas de trabalho. Os refrigeradores mais modernos possuem fluido R600a e as pressões de trabalho desse refrigerante são muito diferentes do R134a. Por esse motivo, é importante estar alerta na hora de fazer uma carga de gás, evitando carga em excesso. Pressões do R600a são menores que as do R134a. Esse é o principal fator de dúvidas dos refrigeristas.

Por que o R600a é o fluido refrigerante que substitui o R134a? O primeiro motivo está associado às características termodinâmicas e físicas dos dois fluidos refrigerantes. No processo de compressão, o R600a alcança um nível de eficiência maior do que o R134a. Isso significa que o compressor se torna mais eficiente energeticamente. Além disso, o fluido refrigerante R134a é sintético e não é facilmente decomposto no meio ambiente. Já o R600a é um refrigerante natural. Por esse motivo, quando é liberado no meio ambiente ele rapidamente se torna água e gás carbônico, causando impacto mínimo no aquecimento global. Se comparado com o R600a, o R134a possui impacto 476 vezes maior sobre o aquecimento global. Em outras palavras, isso quer dizer que cada 1 kg de R134a no meio ambiente (quantidade de fluido para sete refrigeradores domésticos) equivale a 476 kg de R600a (quantidade de fluido para 7933 refrigeradores domésticos). Por não ter cloro na sua composição, o R600a também não causa dano nenhum na destruição da camada de ozônio. Clique aqui e entenda mais sobre esse assunto.

O que considerar ao fazer a carga de gás

Entender o comportamento e pressões de trabalho dos fluidos R134a e R600a é essencial para fazer manutenções em sistemas de refrigeração domésticos. Abaixo, confira uma tabela com a diferença entre a temperatura de evaporação e a pressão para esses gases:

Perceba que o gás R134a trabalha com uma pressão de evaporação maior do que o R600a. Outra questão importante é que eles também são utilizados em uma carga muito diferente para o mesmo equipamento. Para um refrigerador doméstico, o R600a utiliza de 40% a 45% da mesma carga de gás, se comparado com o R134a. Isso quer dizer que temos dois fatores determinantes que devem ser considerados: a pressão de operação do R600a é mais baixa e a quantidade em massa do fluido refrigerante também é menor. Por isso, na hora de fazer a carga de gás para o R600a ou R134a, o refrigerista precisa seguir o peso indicado na etiqueta do refrigerador e utilizar uma balança de precisão. Conforme apresentado na tabela, no manômetro o R600a apresenta pressões de baixa negativas e sempre em patamares menores do que se está acostumado a usar com R134a. Essa é uma característica de trabalho do R600a frente ao R134a que deve ser interpretada como normal.

Fonte: Clube da Refrigeração

 

Uma válvula de expansão é um elemento que constitui em sistemas de refrigeração e ar condicionado e que controla a quantidade de líquido refrigerante liberado para o evaporador.
Os quatro elementos básicos de uma bomba de calor são o evaporador, o compressor, o condensador e a válvula de expansão. Com apenas um de cada, já é possível realizar o processo que resulta na redução de temperatura.
O controle do fluxo do gás é realizado através da utilização do bulbo equipado com um sensor de temperatura onde é preenchido com um gás similar ao do sistema, que faz com que a válvula abra contra a mola de pressão no corpo da válvula conforme a temperatura aumenta. Caso a temperatura da linha de sucção diminua, a pressão no bulbo reduz desta maneira a válvula se fecha. Um sistema de ar condicionado com a válvula com uma válvula de expansão é muitas vezes mais eficiente do que em projetos que não à utilizam.
O refrigerante vem do condensador no estado líquido sob alta pressão, e então atinge a válvula de expansão, pela qual irá atravessar assim que superar a força de retorno da mola. Entretanto, ao atravessar, o fluido se depara com um ambiente em baixa pressão, e então se vaporiza absorvendo calor. Esse calor será então trocado no evaporador.

Muitos refrigeristas têm dúvidas em relação ao estado do compressor, quando estão avaliando problemas em um sistema de refrigeração: se ele está queimado
(e, portanto, deve ser descartado e substituído) ou se está funcionando bem e a causa do problema é outra.

Na residência ou no estabelecimento comercial do cliente, não é possível fazer todos os testes que são realizados nos laboratórios da Embraco, que permitiriam ter um diagnóstico extremamente preciso da condição do compressor. Por exemplo, não há como fazer um teste adequado da compressão. Para isso, são necessários aparelhos mais sofisticados, juntamente com a realização de testes.

Deve-se destacar que todos os compressores Embraco já são exaustivamente testados ao sair da linha de produção. A chance de ocorrerem problemas é mínima.

Além disso, testes de compressão feitos de maneira inadequada e improvisada podem representar riscos ao compressor. Um dos problemas possíveis é a entrada de sujeira ou umidade no próprio compressor ou no sistema.

Da mesma forma que ocorre em relação à compressão, é muito difícil fazer, no local onde está instalado o compressor, o diagnóstico do estado das válvulas. Afinal, não é recomendado abrir compressores herméticos.

Essa verificação de válvulas só deve ser feita no laboratório da Embraco.

Outra dica importante é nunca ligar o compressor fora do sistema para testá-lo. Esse procedimento, feito para testar lâmpadas, por exemplo, não é adequado para compressores e pode gerar danos irreversíveis.

Testes simples

Feitas essas observações iniciais, devem ser mencionados alguns testes e verificações que podem ser efetuados e que ajudam muito a saber qual é a situação.

Para mostrar a importância desses testes simples, basta lembrar que, por falta de uma avaliação bem feita, muitos compressores devolvidos à Embraco estão em condições de uso.

Um multímetro é suficiente para fazer uma boa parte das verificações, relacionadas à continuidade elétrica.

Para começar, verifique se tem energia no local. Para profissionais experientes e capacitados, pode parecer bobagem recomendar isso, mas algumas vezes o “problema” está justamente aí.

Depois disso, é hora de fazer a verificação inicial de continuidade elétrica, lembrando-se de desconectar o equipamento da tomada antes de começar.

Com o multímetro, verifique a continuidade no cabo de ligação.

Verificação da continuidade elétrica no cabo de ligação

O passo seguinte é verificar as condições dos componentes elétricos. Para isso, usando um multímetro, veja se existe continuidade no protetor térmico. Se não existir, esse componente está danificado. Se o problema é esse – e não a queima do compressor –, a solução é simples: basta substituir o protetor térmico.

Da mesma forma que foi feito no protetor, o procedimento com o uso do multímetro deve ser feito no relé e no capacitor. No caso do relé, conforme o modelo, há diferenças no teste a ser feito:

• No caso de relé eletromecânico para compressores F e EG, é preciso colocá-lo na posição vertical, com a bobina para baixo, verificando a continuidade entre os terminais 10 e 11.

• Já no caso do relé eletromecânico para o modelo EM, são três as verificações: 1) entre os terminais 1 e 2, com o relé em qualquer posição; 2) entre os terminais 1 e 3, com o relé na posição vertical e a sua bobina para cima; 3) entre os terminais 1 e 3, com o relé na posição vertical e a sua bobina para baixo. Nas duas primeiras verificações, se não houver continuidade, é preciso trocar o relé. Na terceira delas, é o contrário, se houver continuidade é que existe problema e o relé precisa ser substituído.

Verificação da continuidade elétrica no relé

Outra verificação fundamental e simples de fazer está relacionada ao estado das bobinas (enrolamentos) principal e auxiliar do compressor. O objetivo é saber se alguma delas está interrompida ou queimada.

Comece medindo a continuidade em cada bobina (sempre com o compressor desconectado da rede elétrica). Se não houver continuidade, o compressor está queimado.

Cheque também se as bobinas estão de acordo com as resistências ôhmicas informadas na ficha técnica do compressor. Se nessa medição aparecer um valor diferente do que é informado na ficha técnica, significa que o compressor está danificado e pode estar inutilizado.

Lidando com o inversor

Com o crescimento da presença no mercado dos compressores Embraco Fullmotion de velocidade variável, há muitas dúvidas em relação ao inversor que os acompanha.

Deve ser destacado que se trata de um componente eletrônico muito sensível, que exige conhecimentos especializadíssimos para ser avaliado. Não devem ser tentados reparos nele: em caso de problemas, ele deve ser substituído.

Fonte: Clube da Refrigeração

Você já se perguntou quais são os critérios utilizados pela Embraco para definir qual fluido refrigerante será utilizado em uma linha de compressores? Por exemplo, por que atualmente a empresa utiliza o R134a e o R600a para linha doméstica e comercial leve?

Conheça os passos seguidos para fazer a escolha:

Critério 1: O que os fabricantes oferecem como opção?

Em primeiro lugar, é importante destacar que a Embraco não desenvolve fluidos refrigerantes. Portanto, para fazer a escolha do refrigerante ideal, ela analisa o que está sendo produzido e proposto pelos fabricantes. Então, dentro de uma lista de opções, são selecionados alguns fluidos para teste, os quais se enquadram nas exigências que vamos explicar abaixo.

Critério 2: O fluido tem todas as características exigidas?

Do ponto de vista técnico, o fluido deve ser escolhido para atender às características físicas e químicas ideais para um refrigerante. Sendo assim:

• As pressões de operação em função das temperaturas de condensação e evaporação devem ser adequadas para um sistema de refrigeração;

• Para utilização doméstica, os fluidos não podem ser tóxicos;

• Precisam ter compatibilidade química e estabilidade com o óleo e os outros componentes do compressor, ou seja, tem que se adaptar muito bem com o compressor.

Critério 3: Como esse fluido se comportou nos testes?

Alguns refrigerantes se enquadram nas exigências citadas acima, mas na hora em que são utilizados, nem sempre se adaptam muito bem com o compressor. Por isso, a Embraco realiza testes para ver como o fluido se comporta quando utilizado em suas linhas de compressores. Nesse contexto, os fluidos R134a e R600a atenderam todos os critérios, tornando-se boas opções para a linha doméstica de compressores.

Sustentabilidade e novas legislações guiam as mudanças

Quando o assunto são os fluidos refrigerantes, temos que considerar que existe uma grande discussão sobre o seu uso. Essa é uma preocupação que surge por parte dos governos desenvolvidos e outras empresas que buscam minimizar o grau de agressão ao meio ambiente. Por exemplo, desde que se constatou o impacto negativo que os CFCs tinham para a camada de ozônio, o seu uso foi gradualmente banido. Atualmente, buscam-se novas alternativas para os HCFCs (hidroclorofluorcarboneto) e HFCs (hidrofluorocarbonetos). A procura é por fluidos que não agridam a camada de ozônio e que possuam um baixo potencial de agravamento do efeito estufa. Nesse contexto, os fluidos refrigerantes naturais (HCs) se tornaram boas opções para serem utilizados no mercado de refrigeração. Nessas circunstâncias, o gás refrigerante natural R600a tem sido mundialmente eleito pelos principais mercados, como Europa, EUA e Brasil como uma excelente alternativa de substituição para os hidrofluorcarbonetos.

Existem riscos na utilização do R600a?

Quando se fala na aplicação do refrigerante natural R600a, surge uma grande preocupação. Por ser inflamável, questiona-se se a utilização desse fluido é realmente segura. Dentro desse contexto, os fabricantes tomam medidas de precaução para que não haja risco para o usuário final. São elas:

  • É utilizada uma quantidade pequena nos sistemas de refrigeração;
  • Os componentes elétricos não geram faíscas;
  • O projeto do sistema é todo pensado para, em caso de ter um vazamento, não ter grande concentração, ou seja, o fluido é inflamável, mas não explosivo.

Por esses motivos citados acima, o R600a não oferece riscos no seu uso na refrigeração e não tem impacto negativo ao meio ambiente. Ainda assim, esse é um ponto que está sendo discutido pelo governo dos EUA. Eles buscam por outra alternativa para a refrigeração doméstica, a qual hoje ainda não existe. O mercado japonês, por exemplo, utiliza o HFO, que não é inflamável, mas na presença de calor gera óxidos que são venenosos. Isso quer dizer que atualmente não há nenhuma alternativa que atenda as exigências de segurança, os pré-requisitos ambientais (não agredir a camada de ozônio e ter um baixo potencial de efeito estufa) e que, ao mesmo tempo, não seja inflamável.

Fonte: Clube da Refrigeração

Reunião do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente sobre a celebração do primeiro Dia Mundial da Refrigeração | Foto: Divulgação

 

 

A primeira efeméride global da indústria de aquecimento, ventilação, ar condicionado e refrigeração (HVAC-R), que será celebrada em 26 de junho, acaba de receber o suporte do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

Segundo seus idealizadores, o Dia Mundial da Refrigeração será lançado para aumentar a conscientização da comunidade internacional sobre o papel dessa indústria no apoio à vida moderna e à sociedade.

Associações empresariais e profissionais sediadas nos EUA, Índia, Paquistão, Filipinas, Tailândia, Austrália, África, Oriente Médio e em toda a Europa já deram apoio formal à data.

“Essa comemoração reunirá a comunidade global para celebrar o sucesso e as conquistas do setor por meio de uma série de eventos internacionais e uma campanha em mídias sociais”, diz o Instituto de Refrigeração (IOR) do Reino Unido. A agência ambiental da Organização das Nações Unidas (ONU) informou que suas 147 unidades nacionais da divisão OzonAction promoverão seminários, workshops, treinamentos e competições para profissionais do setor e usuários finais de sistemas de refrigeração e ar condicionado.

“A indústria de refrigeração é frequentemente descrita como sendo uma indústria ‘oculta’. Agora, temos um dia para aumentar a conscientização sobre o trabalho verdadeiramente incrível que fazemos globalmente”, afirmou o consultor britânico Steve Gill, principal idealizador da efeméride, durante encontro promovido em fevereiro pelo Pnuma. “As tecnologias e aplicações de refrigeração, ar condicionado e bombas de calor surgiram a partir da necessidade humana por alimentos, conforto e processos térmicos. Essa é uma história que remonta a séculos, porém, para aqueles que trabalham nessa indústria, ainda é uma frustração de longa data não receber o devido reconhecimento”, argumentou.

Fonte: https: https://blogdofrio.com.br/onu-declara-apoio-ao-dia-mundial-da-refrigeracao/

 

 

NJX – A nova promessa da Embraco

A Embraco está lançando globalmente um novo compressor com características diferenciadas. É o NJX, que chegará ao mercado a partir do primeiro trimestre de 2019, com quatro modelos: dois para aplicações LBP (baixa pressão de retorno) e dois para M/HBP (média/alta pressão de retorno). Trata-se de uma evolução da reconhecida família NJ de compressores para aplicações comerciais, que traz ganhos significativos em eficiência e capacidade de refrigeração.

Usando tecnologia de ponta, é o primeiro compressor na faixa de 2 HP a ter um só pistão. Essa característica traz uma série de vantagens, a começar pela redução no tamanho e no peso do compressor: em média, ele é cerca de 20% menor em altura e tem peso 30% mais baixo do que outros modelos para as mesmas aplicações, facilitando o trabalho de quem projeta sistemas de refrigeração e de quem faz a sua manutenção. Por ter apenas um pistão, o nível de ruído também é mais baixo, o que é um benefício adicional.

São compressores equipados com um novo sistema de placas-válvulas mais robusto, e com capacidade de refrigeração maior do que as opções hoje existentes no mercado. São indicados para utilização em equipamentos e sistemas de refrigeração comercial como expositores, equipamentos profissionais de cozinha, máquinas de gelo, câmaras frias e resfriadores de leite.  Essa novidade fortalece ainda mais a presença da Embraco no segmento da refrigeração comercial, ampliando o seu portfólio e abrindo novas possibilidades para quem atua nessa área. Aguarde-a!

 

Fonte: http://refrigerationclub.com/

 


Placa Eletrônica Carrier PD-NRCP2 PRODIALOG JR.

Modelo: 79037142
Código: 25792